“A antropologia cultural superou Engels”? A falsa superação acadêmica contra Morgan, Engels e o marxismo no âmbito antropológico

Este texto é um excerto dos comentários de Vinícius Bessi, com base nas concepções da acadêmica Eleanor Leacock, sobre a falsa ideia de superação do antropólogo Morgan (e também da obra “A Origem da Família” de Engels) em relação ao conceito de patriarcado.

Continuar lendo

Anúncios

Amílcar Cabral: A Nossa luta é fundamentalmente uma luta de libertação nacional ou uma luta de classes?

Nós somos um povo dominado pelo colonialismo português, ou, pelo menos, fomos dominados por ele, antes dos progressos da nossa luta. A nossa luta é uma luta de libertação nacional. Isto quer dizer que queremos acabar no nosso país com a dominação estrangeira, dominação sob forma política e sobretudo sob forma econômica.

Continuar lendo

Fidel Castro: “Não há nada pior do que dar as costas ao inimigo”

Em 2003 o governo Bush havia incrementado as tradicionais ações anti-castristas, ampliando o número de transmissões de rádio contra o regime para a ilha e os estímulos para a imigração ilegal. Num período de sete meses até abril de 2003 ocorreram sete sequestros de aeronaves e barcos com o objetivo de tomar rumo a Flórida, onde os sequestradores armados e violentos às vezes eram presos mas sempre acabavam liberados e com uma permissão de residência.

Continuar lendo

Degeneração e “Geração Eu”: A Decadência da Juventude Revolucionária

Revolução, violência política, de fato toda violência é um jogo para o ser humano jovem. Jovens rebeldes determinados forjaram nações, como vimos ao longo da história. Mas esses homens foram verdadeiros revolucionários, fanáticos dispostos a sacrificar tudo, eles incorporavam a descrição de Nechaev, “O revolucionário é um homem condenado. Ele não tem interesses pessoais, negócios, emoções, ligações, propriedade ou nome. Tudo nele é completamente absorvido no único pensamento e na única paixão pela revolução“.

Tal devoção é rara no Ocidente moderno. Ademais, quando ela vem em formas estrangeiras, tal como o militante islâmico ou o guerrilheiro latino-americano ela se torna o grosseiro “radical chic” de rebeldes universitários que vestem camisetas de Che Guevara ou keffiyehs manufaturados em fábricas capitalistas escravagistas. Todo espírito pseudo-revolucionário juvenil existe hoje inteiramente dentro dos parâmetros do capitalismo, desenraizado, commodificado, certamente não-ameaçador à ordem estabelecida. A parafernália da revolução é apenas um instrumento de marketing por valor de choque. Isso aponta para uma questão maior, que a pose de resistência ao sistema foi já totalmente integrada ao sistema.

Continuar lendo

Ficaremos todos sem emprego em breve. Um Futuro de Miséria ou de Liberdade depende de você

“Em qualquer fábrica de primeiro mundo, no lugar de operários agrupando peças e apertando parafusos, encontraremos diversas máquinas de última geração. Ao mesmo tempo, casas inteiras são construídas em poucas horas por uma impressora 3D gigante, envolvendo apenas uma ou duas pessoas no processo.”

Essa é a previsão do jornalista David Baker para os próximos anos, e ele não está exagerando, basta constatarmos o avanço da automação na vida diária dos cidadãos que vivem nos países centrais.

Continuar lendo

Kwame Nkrumah: “O Socialismo Africano revisitado”

O termo “socialismo” tornou-se uma necessidade nos discursos de palanque e escritos políticos de líderes africanos. É um termo que nos une no reconhecimento de que a restauração dos princípios sociais humanistas e igualitários da África demandam o socialismo. Todos nós, portanto, embora seguindo políticas bastante contrastantes na tarefa de reconstruir nossos vários Estados-nações, ainda usamos o “socialismo” para descrever nossos respectivos esforços. “A questão deve, portanto, ser enfrentada : que significado real o termo retêm no contexto da política africana contemporânea?” Eu alertei sobre isso em meu livro Consciencism (Londres e Nova York, 1964, p. 105).

Continuar lendo

Ofensiva e Resistência ao imperialismo cultural

O imperialismo não se manifesta apenas na economia, comércio ou militarmente, mas também culturalmente. E onde os resultados são tão ou mais desastrosos e duradouros é justamente neste ultimo.

A cultura de um povo também é a base de sustentação da sua resistência social frente ao domínio de interesses estrangeiros.

Continuar lendo

Observações críticas sobre o projeto de regulamentação da prostituição de Jean Wyllys

A abordagem do texto, publicado pela CoFeM (Conferência Feminina de Mulheres) e veiculado no site da Liga Humanista, são esclarecedoras, no entanto limitadas a sociedade burguesa. Os marxistas lutam por extirpar da face da terra a prostituição e qualquer outra forma de objetificação e mercantilização dos homens e mulheres. Sabemos que a “fenômenos sociais” como a prostituição surgiram somente com o advento da sociedade de classes, e com ela deve ser combatida. Não queremos rebaixar nossa palavra de ordem para “por mais liberalização da prostituição”, mas sim, manter a palavra de ordem “pelo fim da objetificação dos seres humanos, inclusive por meio da prostituição”. Queremos uma sociedade emancipada e livre disso, e não nos transformarmos numa “Amsterdã” com mulheres dançando atrás de vitrines, com o “preço tabelado” de “fulana” ou “beltrana” estampado no vidro. Pois bem, boa leitura:

Continuar lendo